Busca
  Semana de moda de Paris - Inverno 2011 - 2012


Ana Carolina Acom *

Para falar de Paris Fashion Week, começo pelo desfile bastante teatral da Moncler Gamme Rouge - marca italiana, que tem à sua frente o estilista Giambattista Valli. O desfile teve toda uma cenografia especial, mostrando neve e chuva na passarela. As modelos interagiam com o frio em extraordinários casacos em tecidos high-tech, couro e astracã. Além disso, como elas usavam Dr. Martens e meias-calças escuras super fechadas, minha identificação com o estilo e temperatura foi imediata.

Ainda na categoria obscuros e maravilhosos, não poderia faltar Ann Demeulemeester com mais um desfile poético, trazendo peles abundantes, penas e “armaduras” em couro. Até a estilista, que dificilmente aparece, deu às caras no final.

O genial Hussein Chalayan merece destaque especial nesta temporada. Pois se há muito ele não inovava nas formas senhoris e conservadoras, parece que houve uma reviravolta por aí. A coleção está muito linda com muitas inspirações em formas e questões da cultura japonesa. Desde a coleção passada ele versa sobre a política japonesa de isolamento cultural pós Segunda Guerra, e nesta temporada, ele completa com os momentos em que o Japão resolve se abrir para o mundo. Vale lembrar que o desfile aconteceu no dia primeiro de março, dez dias antes do Tsunami que abalou o país.

Seguindo com os meus destaques, cito Akris. A marca apresentou uma estampa de árvores outonais, entre outras belas estampas, que é um suspiro de tão linda. Já o louquíssimo Jean-Charles de Castelbajac, que também trouxe uma interessante estamparia digital, desfilou vestidos com as famossísimas e surrealistas fotografias de Man Ray, entre outras, destaco: Glass Tears and Le Violon d'Ingres. Outros elementos, não menos bizarros, e característicos do “deslocamento” surrealista foram as mãos em luvas que envolvem pescoços e bustos. Achei fantástico!

No desfile de Vivienne Westwood surgiram modelos com a encantadora maquiagem ao estilo da banda “Secos e Molhados”, conhecida como o make-up que inspirou muita gente incluindo os rock stars “Kiss”. O desfile, como sempre impecável, esteve ainda mais arrasador graças ao diálogo dos olhos e rostos super pintados com a indumentária bastante expressiva de Vivienne Westwood.

Encerro meu comentário apenas citando outros três grandes nomes que eu sempre destaco nas semanas de Paris: Gareth Pugh, o artista do momento; e os orientais bastante diferenciados e inteligentíssimos - Manish Arora e Junya Watanabe, sem dúvidas, coleções adoráveis.

*Ana Carolina Acom é graduada em filosofia pela UFRGS e especialista em Moda, Criatividade e Inovação pelo SENAC–RS. Atua como pesquisadora e consultora de moda e semiótica das vestimentas, através de palestras, produções e desenvolvimento de figurino. Possui artigos publicados em todo país e atualmente reside em Montreal – Canadá, realizando pesquisas de tendências para marcas do Brasil, em que é responsável pela consultoria de moda e estilo. Além disso, integra o projeto “As Carolinas”, com atuações em diferentes setores da moda.

Fotos: Reprodução





Copyright © 2006 - 2013 - modamanifesto
Site melhor visualizado no Mozilla Firefox e no Google Chrome.